Mortalidade pela covid-19 na polícia militar chama a atenção

Mortalidade pela covid-19 na polícia militar chama a atenção

A exatos um ano a pandemia assola a humanidade, embora o isolamento social tenha sido decretado, existem atividades consideradas essenciais e fundamentais para a sociedade, como as áreas da saúde e segurança pública em que se enquadra os policiais militares. Esses profissionais que atuam diretamente no enfrentamento da doença assim como os médicos se encontram à mercê da sorte.

Em vários estados brasileiros o aumento na mortalidade pela covid-19 na polícia militar vem chamando a atenção.

Recentemente a Tenente Coronel Rejane Filgueiras da polícia militar do estado do Amazonas, divulgou vídeo emocionante onde relatou a reflexão e o seu sentimento sobre a realidade em que o estado se encontra.

  • Na semana passada, o Tenente Coronel Onivan Elias de Oliveira do estado da Paraíba, publicou  artigo que apresenta dados importantes sobre a situação no seu estado:

“A partir do mês de março de 2020 começaram a surgir então as primeiras notícias de mortes de agentes integrantes das forças de segurança pública de outros países e do Brasil.”

Segundo ele não há dados de registro dos quantitativos ou perfis dos óbitos de policiais militares brasileiros pela Covid-19 nas páginas eletrônicas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), do Conselho Nacional de Comandantes Gerais das Polícias e Corpos de Bombeiros Militares (CNCG), bem como da Federação Nacional das Entidades de Oficiais Militares Estaduais (FENEME).

A partir de tal dificuldade, Onivam iniciou uma busca por informações contidas em arquivos do Boletim Geral da Polícia Militar da Paraíba, Certidões de Óbitos dos Associados na Caixa Beneficente dos Oficiais e Praças da Polícia e Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba, Notas de pesar publicadas pela Polícia Militar da Paraíba e associações representativas e, portais de notícias e redes sociais.

O estudo apresentou o perfil das vítimas militares que perderam a vida pela covid-19, no período entre os dias 01 de janeiro e 31 de dezembro de 2020. Levando a conclusão que se faz necessária a ampliação e intensificação de ações preventivas, proativas e de acompanhamento perene aos integrantes das forças militares, principalmente àqueles que têm fatores que aumentam os riscos de serem contaminados e virem a falecer vítimas do Coronavírus.

Existe um déficit nas pesquisas e na divulgação dessas informações no restante do país, não há dados concretos sobre essas mortes.  Militares e médicos estão perdendo a vida todos os dias para salvar outras!

Por: Aline Viana

    Compartilhar no facebook
    Compartilhar no twitter
    Compartilhar no linkedin
    Compartilhar no whatsapp

    Deixe uma resposta